Boyden Executive Search

Em todo o mundo, muitas empresas de várias indústrias deparam-se com uma série de desafios no que diz respeito ao C-Suite que vão desde a qualificação, ao talento, passando pela transformação digital e os novos modelos de negócio. As organizações estão obrigadas a uma série de medidas proativas de imediato sob pena de verem o seu C-Suite ocupado sem o melhor talento possível, um aspeto vital para a criação de valor no futuro.

São vários os fatores, desde a demografia à maior concorrência, que colocam dificuldades à renovação do C-Suite nos próximos anos, o que tem levado a que muitos profissionais e experts falem numa guerra de talentos. Uma situação que obriga a uma preparação das organizações para assegurarem que todas as posições precisam de ser preenchidas de forma rápida, por candidatos qualificados, para assegurar que as operações continuam a decorrer com normalidade. 

Mas numa altura de crescimento económico encontrar o talento adequado é mais difícil e obriga a que as lideranças pensem de forma estratégica de forma a gerir e encontrar os melhores profissionais. O talento existe, mas nem sempre as organizações conseguem identificar onde está o melhor talento ou como colocá-lo no lugar certo.

E neste ambiente o papel do executive search poderá ser decisivo, ainda mais porque a pool de talentos é cada vez mais assimétrica em termos de gerações, culturas e competências. Como ao mesmo tempo a procura de talento é cada vez mais globalizada, as expetativas são cada vez mais elevadas. Mas também a informação disponível, quer a que está disponível aos recrutadores sobre os candidatos, como a das empresas disponibilizada à potencial pool de talentos.

Devido à experiência exigida para as suas funções, aliada ao stress e exigência a que o papel obriga, os cargos de C-Suite são decisivos e essas posições precisam de ser preenchidas de forma certeira, por candidatos qualificados, para assegurar que as operações das organizações continuam a decorrer com normalidade. Mas muitas vezes talento interno poderá não ser a opção mais viável e para encontrar os candidatos com as skills necessárias para preencher o top management muitas empresas terão também de olhar para candidatos externos. A procura de talento deverá ser uma batalha sem tréguas e com a concorrência a atrair o talento de topo colocam-se dificuldades a muitas organizações.

Mas estas dificuldades poderão ao mesmo tempo ser oportunidades. São cada vez mais as pessoas formadas em gestão, há cada vez mais Business Schools e MBA’s de excelência o que alarga o espetro de potenciais candidatos. E não esquecer que cada geração seguinte está mais bem preparada para o impacto da tecnologia e que há cada vez mais iniciativas empresariais, mais empresas de média e grande dimensão, várias delas com um potencial de talento para o C-Suite que merece atenção e exploração.  

Nesta busca de talento a primeira coisa que há a fazer é que os acionistas/administração da empresa esteja consciente da necessidade de lidar com a missão crítica de preencher as vagas do C-Suite. E assim que a severidade da situação esteja percebida, a organização poderá engendrar múltiplas estratégias para reduzir o risco.

Entre estas começar a olhar internamente para futuros candidatos para o C-Suite, assegurando que oportunidades de formação e desenvolvimento que lhes permitam acelerar a prontidão para as funções. A introdução de programas de desenvolvimento de talento e revisão de práticas de recrutamento e retenção de talento para construir equipas diversificadas e de pensamento alargado que permitam identificação de candidatos ao C-Suite que percebam as necessidades da empresa poderá ser decisivo.

O talento em função da estrutura fundacional e da cultura da organização vai transcender as tradicionais fronteiras e ajudar a desenvolver melhores estratégias através de discussões que envolvam várias perspetivas. Procurar em casa potenciais executivos C-Suite pode ajudar as companhias a orientar os colaboradores talentosos para esses papéis, mas depender apenas destes, num mundo atual em constante evolução e mudança não é a melhor opção.

Daí que uma procura de talento globalizada e transversal - de idades, funções, experiências - deva ser uma estratégia a implementar, mesmo que implique ter mais pessoas no board executivo, o que pode ter a vantagem de trazer assimetria de ideias e experiência.

A agilidade e flexibilidade é outro dos critérios-chave neste processo de procura e seleção de talentos e as soluções especializadas desenvolvidas pelo executive search criam, capturam, retêm, disseminam e utilizam o conhecimento relevante para o candidato e para a própria empresa.

O capital humano é uma vantagem competitiva na atual economia e o desenvolvimento de líderes é um dos grandes desafios da próxima década e muitas vezes poderá demorar muito tempo. Daí que empreender um pipeline robusto pode ajudar a garantir que há candidatos qualificados que sejam opções. Em caso de necessidade ou em necessidade da estratégia. 

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.  Learn more